BLOG

Relatos ilustrados de nossos roteiros

Você esta aqui:

July31

TRIP | Birdwatching na Serra do Cipó

 

 

Cortando mais de 1000 quilômetros em Minas Gerais e Bahia, a Serra do Espinhaço é a única cordilheira montanhosa do Brasil. Coberta por Mata Atlântica, Cerrado e Caatinga, o Espinhaço é também um dos maiores centros de endemismos do mundo. Abrigando paisagens deslumbrantes e biodiversidade riquíssima, o Espinhaço é certamente um dos melhores destinos para observação e fotografia de natureza do mundo. Nessa expedição visitamos um dos seus principais destinos turísticos, a Serra do Cipó.

 

Serra do Cipó é protegida por importantes reservas, como a APA Morro da Pedreira e o Parque Nacional da Serra do Cipó. A altitude varia de 700 a 1600 metros e a vegetação acima de 1000 metros é caracterizada pelos campos rupestres e de altitude, possuindo ambientes típicos de Cerrado e Mata Atlântica em suas faces. Atualmente a Serras do Cipó é destino procurado por turistas das mais variadas modalidades, geralmente atraídos por esportes de aventura e turismo de natureza.

 

Nos dias 26 e 27 de julho, recebi o fotógrafo Daniel Mello, sua companheira Sonia Roberto e o amigo Rodrigo Mayworm, buscando bons registros para fazerem parte do importante Projeto “Aves do Sudeste do Brasil – Guia de Campo”. Acesse, confira e apoie!

 

DIA 01

 

Começamos o dia bem cedo, visitando o distrito de Lapinha da Serra e o primeiro objetivo do dia era o pica-pau-chorão (Veniliornis mixtus). Tentei atrair a pequena ave por alguns minutos, sem sucesso. Enquanto esperávamos ela aparecer, conseguimos avistar e fotografar outros bichos como o suiriri-cinzento (Suiriri suiriri), bandoleta (Cypsnagra hirundinacea) e a bichoita (Schoeniophlylax phryganophilus). Após algum tempo no local o Daniel conseguiu visualizar, finalmente, o pica-pau. O seguimos por alguns metros até conseguir as imagens que precisávamos. Voltamos para o carro e deslocamos até o próximo local. A próxima busca era pelos dois endêmicos, lenheiro e pedreiro, e o primeiro já começou dando trabalho. Como poucas vezes aconteceu, andei por toda a trilha sem escutar o lenheiro-da-serra-do-cipó (Asthenes luizae) em nenhum dos pontos conhecidos. Sem ter muito tempo disponível, seguimos e fizemos uma visita rápida ao beija-flor-de-gravata-verde (Augastes scutatus), que era lifer para o Rodrigo. No mesmo local, encontramos também o endêmico lagartinho-de-crista-do-espinhaço (Eurolophosaurus nanuzae) e aproveitamos para fazer algumas imagens do pequeno réptil.

 

2017.07.26_001 2017.07.26_0032017.07.26_004 2017.07.26_002

 

Na volta, continuei tentando encontrar algum lenheiro e na última tentativa, finalmente escutei um deles vocalizando. Procurei um pouco até conseguir avistar um deles e dali em diante foi só buscar a melhor chance de fotografar e, para nossa sorte, foram muitas. Sempre um dos pontos altos conseguir mostrar essa espécie para os clientes. Endêmico, ameaçado de extinção e de comportamento interessantíssimo. O próximo passo era o pedreiro-do-espinhaço (Cinclodes espinhacensis), que não deu trabalho algum. Bastou chegar ao ponto, tocar o playback uma vez, e o bichinho deu um show. Almoçamos bem tarde e na volta ainda paramos no primeiro ponto, para ver mais do pica-pau-chorão e acabamos encontrando um ninho ativo, que rendeu imagens bem interessantes. Após um dia bastante produtivo, a Serra do Espinhaço nos presenteou com um daqueles pôr-do-sol de tirar o fôlego.

 

2017.07.26_0052017.07.26_006 2017.07.26_007 2017.07.26_008 2017.07.26_009 2017.07.26_010 2017.07.26_011

 

Dia 02: O

 

No segundo dia, teríamos apenas a manhã disponível e então focamos no distrito de Serra do Cipó, em uma área de Cerradão Arbóreo, onde encontramos e fizemos boas imagens da choca-do-nordeste (Sakesphorus cristatus) e do rapazinho-dos-velhos (Nystalus maculatus), ambos lifers para o Rodrigo e o Daniel e importantes contribuições para o projeto Aves do Sudeste. Ainda deu tempo de fazer excelentes imagens de espécies como o soldadinho (Antilophia galeata), pica-pau-pequeno (Veniliornis passerinus), tico-tico-de-bico-amarelo (Arremon flavirostris),  canário-do-mato (Myiothlypis flaveola) e do bico-de-pimenta (Saltatricula atricollis).

 

2017.07.26_0132017.07.26_0162017.07.26_012 2017.07.26_0152017.07.26_014 2017.07.26_018 2017.07.26_017

 

Foi uma viagem rápida e com objetivos claros, todos muito bem alcançados. Mais uma vez tive o prazer de guiar o Daniel Mello em passarinhadas em busca de boas imagens para compor um dos seus excelentes guias. Um enorme prazer conhecer o simpático Rodrigo Mayworm, excelente parceiro e profundo conhecedor das aves da sua região. Agradeço pela confiança em meu trabalho. Clique aqui e conheça mais um pouco desses excelentes trabalhos na página dos Irmãos Mello.

 

Grande abraço,

 

EDUARDO FRANCO

  • Posted by Eduardo Franco
  • 5 Tags
  • 0 Comments
COMMENTS