BLOG

Relatos ilustrados de nossos roteiros

Você esta aqui:

October23

BIRDING TOUR | Cadeia do Espinhaço

 

 

Cortando mais de 1000 quilômetros entre Minas Gerais e Bahia, a Serra do Espinhaço é a única cordilheira do Brasil. Coberta por Mata Atlântica, Cerrado e Caatinga, o Espinhaço é também um dos maiores centros de endemismos. Abrigando paisagens deslumbrantes e biodiversidade riquíssima, é certamente um dos melhores destinos para turismo de natureza do mundo. Nessa expedição visitaremos a porção Sul da cordilheira, principalmente as Serras da Moeda e do Cipó. A Serra da Moeda está localizada no Quadrilátero Ferrífero. Possuindo Unidades de Conservação, como o Monumento Natural da Serra da Calçada, configura-se como uma importante área para a conservação da flora e fauna. A Serra do Cipó é protegida por importantes reservas, como a APA Morro da Pedreira e o Parque Nacional da Serra do Cipó. A altitude de ambas porções serranas varia de 700 a 1600 metros e a vegetação acima de 1000 metros é caracterizada pelos campos rupestres e de altitude, possuindo ambientes típicos de Cerrado e Mata Atlântica em suas faces. Atualmente as Serras da Moeda e do Cipó são destinos procurados por turistas das mais variadas modalidades, geralmente atraídos por esportes de aventura e turismo de natureza

 

Nos dias 12 a 14 de outubro recebemos as observadoras de aves Silvana Santos e Jéssica Karla para mais uma birding tour pela porção Sul da Cadeia do Espinhaço.

 

Começamos nossa viagem visitando a Serra da Moeda, em Brumadinho/MG. Havia pouca novidade para a Silvana e a Jéssica ali, mas uma delas já valia a visita, a maxalalagá. Seguimos a trilha até ela e no caminho topamos com algumas espécies interessantes, como o rabo-mole-da-serra, a choca-de-chapéu-vermelho e o tico-tico-do-banhado, esse sim era lifer para elas. Outro que deu um show foi o tapaculo-de-colarinho.

 

2018.10.12_001 espinhaco 2018.10.12_002 espinhaco 2018.10.12_003 espinhaco 2018.10.12_004 espinhaco

 

Chegamos até o ponto da maxalalagá e comecei a tentar atrair a pequena saracura. Demorou alguns minutos para que ela respondesse e assim, assim que consegui localizar uma delas, preparei todo o cenário para tentarmos fotografar. Alguns minutos após começar, um indivíduo apareceu na borda no capim e ficou ali por um bom tempo, facilitando muito o registro fotográfico. Fizemos algumas imagens e deixamos o bichinho em paz. Parece que elas estão voltando a ficar mansas, após um longo período sumidas.

 

2018.10.12_005 espinhaco

 

Seguimos viagem para o distrito de Serra do Cipó, em Santana do Riacho/MG, onde almoçamos e demos entrada na pousada. Após um breve descanso, seguimos até uma trilha próxima e lá tentamos encontrar algumas espécies desejadas pelo grupo. Apesar de investir muito tempo procurando, o forte vento dificultou muito nossa iniciativa e, como brinde, conseguimos ao menos avistar e fotografar dois indivíduos de chifre-de-ouro.

 

2018.10.12_006 espinhaco 2018.10.12_007 espinhaco

 

Depois ainda aproveitamos o final da tarde em outro ponto, mas os resultados continuaram ruins. Alguns dos objetivos não apareceram, mas um deles veio e deu show, o arisco fruxu-do-cerradão.

 

2018.10.12_008 espinhaco

 

No dia seguinte visitamos o distrito de Lapinha da Serra, no dia de busca aos endêmicos do Espinhaço. Ainda no caminho encontramos uma dupla de bandoletas e outra de graveteiros. Depois seguimos atrás dos principais objetivos e o primeiro dele foi o pedreiro-do-espinhaço, que segue nos trabalhos em seu ninho. Não precisamos esperar muito e rapidamente ele apareceu e rendeu a imagem que precisávamos.

 

2018.10.12_009 espinhaco 2018.10.12_010 espinhaco 2018.10.12_011 espinhaco

 

Depois seguimos em busca do beija-flor-de-gravata-verde que simplesmente desapareceu de todos os pontos que eu conhecia por ali. Procurei muito, mas não consegui encontrar nenhum que rendesse alguma chance de registro. Bola para frente, seguimos em busca do lenheiro-da-serra-do-cipó, que exige sempre muito esforço físico dos observadores. Lá fomos nós, morro acima, atrás do bichinho. Chegamos lá e ele nos presenteou com três indivíduos muito ativos.

 

2018.10.12_012 espinhaco 2018.10.12_013 espinhaco

 

Na volta ainda conseguimos encontrar com um belíssimo macho de choca-de-asa-vermelha, que também era novidade para elas.  Fizemos uma parada para almoçar e depois retornamos para Serra do Cipó e fizemos uma rápida visita ao Juquinha, antes de tentar novamente registrar a choca-do-nordeste e o rapazinho-dos-velhos. Nenhum dos dois deu muita chance, responderam até, mas não se aproximaram.

 

2018.10.12_014 espinhaco

 

No último dia alteramos nossa programação inicial e repetimos uma das trilhas da Serra do Cipó, em busca do gravata-verde que ainda faltava, além de outras espécies típicas do Cerrado que ainda não haviam aparecido e eram estavam entre os principais objetivos. Logo no inicio da trilha já tivemos nossa recompensa: um macho de patativa e outro de campainha-azul apareceram e renderam algumas imagens. Logo mais a frente, o bacurauzinho finalmente resolveu colaborar e após muita busca, a Silvana conseguiu localizar um deles, assim que ele pousou.

 

2018.10.12_015 espinhaco 2018.10.12_016 espinhaco 2018.10.12_017 espinhaco

 

O calor era insuportável aquela altura e tentávamos ainda buscar alguma coisa, mas estava muito complicado. Visitei alguns pontos onde poderia avistar o beija-flor, mas nem sinal. Em um deles, como recompensa, conseguimos localizar uma cigarra-do-campo. Após quase desistir de seguir, pois teríamos que andar muito até o próximo ponto, resolvemos seguir a busca e finalmente um jovem do gravatinha estava lá e rendeu as imagens que queríamos. Dureza demais, mas conseguimos fechar a lista com os principais objetivos alcançados.

 

2018.10.12_018 espinhaco 2018.10.12_019 espinhaco 2018.10.12_020 espinhaco 2018.10.12_021 espinhaco

 

Como era final de semana de feriado e muitos eventos no local, precisamos encerrar a viagem mais cedo para não ficarmos presos no trânsito, retornando logo após o almoço. Encerramos mais uma tour pelo Espinhaço, essa muito puxada pelas condições climáticas, mas com bons resultados obtidos. Agradecemos muito a confiança das nossas clientes e dos nossos parceiros.

 

Um grande abraço,

 

EDU FRANCO

 

  • Posted by Eduardo Franco
  • 5 Tags
  • 0 Comments
COMMENTS